Entrevista do mês – Representante Jaime, de Belo Horizonte

Neste mês, a entrevista do nosso informativo é com o representante Taranto Jaime Rodrigues, de Belo Horizonte. Experiente no setor de autopeças, Jaime fala das transformações do setor desde em que começou a atuar e da importância de um representante, mesmo com toda a tecnologia de hoje. “A presença do representante ainda é fator indispensável, pois o cliente se sente mais acolhido e confiante

– Qual o seu nome, idade, formação?

Meu nome é Jaime Rodrigues da Silva, tenho 67 anos e sou técnico em Contabilidade.

– Há quanto tempo está na Taranto?

Estou na Taranto desde o inicio de suas atividades no Brasil a convite do Sr .José Carlos.

– Qual região você atende?

Eu atuo em Belo Horizonte e a região da Grande BH, em Minas Gerais.

– O que significa para você ser um representante de autopeças?

Tenho orgulho em ser representante de autopeças. Dou o meu melhor e estou sempre preparado para novos desafios, buscando atingir todos os objetivos que me são determinados  pela empresa.

– Conte para nós alguma história curiosa que já aconteceu com você nestes anos de atuação de mercado?

Um fato verídico, mesmo não estando relacionado direto com vendas. Sou muito amigo do Claudinho/Contagem Motorpeças.  Estava próximo a seu aniversário, ele me falou   que gostaria que eu o presenteasse  com uma camisa de futebol oficial do Atlético Mineiro, sabendo que sou cruzeirense e teria que entrar na Loja do Galo.

Paguei este mico. Fui à loja, comprei a tal camisa e o entreguei. Ainda bem que a era digital não estava tão atualizada como hoje, e não houve registro do fato. Fiz a contragosto mais pela pessoa do  Claudinho e pela amizade que formamos ao longo dos anos valeu a pena.

– O que mudou do tempo em que você entrou no mercado para hoje?

Mudou muito. Nada era digital.  Estou fazendo praticamente 40 anos de mercado como representante, antes estive a experiência de trabalhando em casa de autopeças quase cinco anos, depois passei  por uma indústria, e como promotor de vendas durante um ano conhecendo o elo do lojista com o mecânico, fazendo várias visitas aos mesmos.

Antigamente tudo era mais demorado, desde a formulação do pedido, pois os clientes controlavam tudo por sistema de fichas em armário, fichário manual e etc.  Então os mesmos eram feitos em blocos de pedidos, levados para escritório para serem datilografados e enviados pelo correio para as nossas representadas. Depois surgiu algo bem moderno,  o “FAX”,  que tornou mais rápido o envio dos pedidos.

Hoje tudo é bem mais simples, mas não fácil. Usamos a tecnologia, mas a presença do representante ainda é fator indispensável, pois o cliente se sente mais acolhido e confiante.

– Qual o recado que você deixa para seus clientes?

Que precisamos estar sempre atentos e atualizados, e  com força, fé e foco venceremos esta crise que o país esta atravessando, e ao mesmo tempo aproveito para agradecer a confiança que me fez caminhar ao longo destes anos.